Prevenção e Manutenção

Foi-se o tempo em que o empresário do setor encarava a pintura de suas unidades apenas pelo motivo de estética. Era comum ouvir deles que não havia tempo para tratar deste assunto e, se alguma estrutura ou equipamento apresentasse corrosão, dependendo do seu estado, seria trocado na próxima entressafra. A pintura era entendida como uma forma de embelezar a usina.
Há algumas décadas, felizmente, esta mentalidade mudou e hoje é essencial para grandes empresas consumidoras, principalmente as indústrias de alimentos e de bebidas, e para a exportação, quando se refere à quantidade de pontos pretos metálicos magnéticos. Os tais pontos pretos nada mais são do que pedaços minúsculos de ferrugem caídos dos equipamentos no produto final.
Quando estes equipamentos são pintados com tintas de alto desempenho, ocorre uma melhoria na qualidade do açúcar tornando-o mais lucrativo e competitivo.
No caso das Plantas de Etanol, o processo requer revestimentos mais resistentes para aumentar o tempo entre as manutenções, evitar acidentes causados por corrosão, diminuir os gastos com reparos na pintura e evitar paradas não programadas na produção. Fatores que diminuem sensivelmente os lucros da empresa.
Com aumento significativo no consumo de álcool na matriz energética no Brasil, aliado as exportações de açúcar, observou-se um aumento da demanda de manutenção e expansão das usinas.
Para ser competitivo no mercado global, além de incorporar tecnologia, as Usinas estão buscando meios de diminuir os custos de manutenção (entressafra/Paradas sem programação). Como o ambiente é muito corrosivo, as peças e estruturas fabricadas em aço são substituídas (ou deveriam ser) em pouco tempo.